Os dois gigantes do hip hop americano devem trazer setlists recheadas de sucessos para o ecofestival que acontece em Paulínia a partir do próximo sábado.

Black Eyed Peas

Por Patrícia dos Santos

O Black Eyed Peas vai levar a mistura do hiphop com o eletrônico para agitar a galera no SWU. A banda foi uma das primeiras a serem confirmadas no festival e irá levar o show da turnê The Beginning Tour ao evento. O show é  algo parecido com o da última turnê, The E.N.D. Tour, mas com músicas novas. Os integrantes do Black Eyed Peas são completamente apaixonados pelo Brasil e isso fica claro em alguns clipes da banda (que foram gravados no Rio de Janeiro) e pelo número de vezes que eles já vieram aqui, esta é a sexta vez que o grupo vem para tocar no país.

A turnê, que começou em junho deste ano, já está prestes a acabar. Will.I.Am., um dos fundadores da banda, disse recentemente que o show no festival será o último antes da pausa de dois anos que o grupo pretende fazer. A declaração veio depois de vários rumores sobre o fim da banda, que tomaram força quando o cantor Kanye West fez uma declaração polêmica sobre o término em um de seus shows. Depois de muito bafafá, os fundadores do grupo esclareceram que não era nada daquilo, e para a tranquilidade dos fãs, tudo não passou de um mal entendido.

O Black Eyed Peas é a atração principal do Palco Energia no dia 12 e fecha o primeiro dia do festival. Na setlist não vão faltar hits da banda. Sucessos de desde o segundo álbum, o Elephunk, que marca a entrada de Fergie, são quase certeza para a apresentação em Paulínia. Where’s the love?Shut Up , irão relembrar a época mais hip hop do grupo. Já os hits dos dois últimos álbuns The E.N.D. e The Beginning, é que levam o tom eletrônico para o festival, criando um clima de rave no local. The time (Dirty Beat), Just can’t get enough e Don’t stop the party, todas do último cd, poderão fechar a apresentação dos americanos. Além dessas, músicas do trabalho solo de alguns dos integrantes devem também aparecer na seleção, como a balada chiclete de Fergie, Big Girls Don’t Cry.

Kanye West

Por Lucas Lucena

O rapper, que é uma das maiores estrelas da música americana atual, volta ao Brasil após quatro anos desde a sua apresentação no último TIM Festival para apresentar o show de seu super aclamado disco My Beautiful Dark and Twisted Fantasy. Lançado no ano passado, o disco recebeu ótimas críticas e levou a pontuação máxima de quase todos os veículos especializados que resenharam o disco.

De lá pra cá, Yeezy – como é chamado – lançou clipes tão audaciosos como o próprio disco, incluindo um curta metragem, tocou em todos os grandes festivais dos Estados Unidos e gravou um outro álbum com outro peso pesado do hip hop mundial, Jay-Z. A breve turnê de My Beautiful Dark and Twisted Fantasy não deixou a desejar: mesclada com seus grande sucessos, West apresentou um espetáculo que contava com dançarinos, encenações e interlúdios quase que teatrais para contar a história por trás do disco. O show no festival Coachella desse ano foi o ápice da turnê.

A turnê já se encerrou, mas deve ser com uma versão desse mesmo show que Kanye se apresentará em Paulínia no próximo sábado. Além dos sucessos de Dark Fantasy, como “Power”, “Monster”, “All of the Lights”, a presença é certa de músicas como “Love Lockdown”, “Jesus Walks”, “Stronger” e muitas outras, de forma a fazer um grande apanhado da carreira do rapper. Uma grata novidade seria a inclusão de algumas das canções de Watch the Throne, o disco lançado junto com Jay-Z. Seria bacana poder ver ao menos metade do The Throne cantando “Otis” por aqui, não? É esperar para ver. A previsão que a gente tem é a seguinte.