Frases

Uma das marcas dos revoltosos dos anos 60 foram as frases e slogans que criaram. Em todo os lugares do mundo onde as revoltas aconteceram naquela década, frases de efeito e contestadoras enfeitavam os muros públicos de diversas cidades do mundo em forma de pixações ou cartazes. De autoria desconhecida, essas sentenças hoje servem como lembrança da época de revoltas e contestações que tanto marcou a história recente. Confira uma compilação de algumas delas abaixo.

“Abaixo a sociedade de consumo.”

“A ação não deve ser uma reação, mas uma criação.”

“O agressor não é aquele que se revolta, mas aquele que reprime.”

“Amem-se uns aos outros.”

“O álcool mata. Tomem LSD.”

“A anarquia sou eu.”

“As armas da crítica passam pela crítica das armas.”

“Parem o mundo, eu quero descer.”

“A arte está morta. Nem Godard poderá impedir.”

“Antes de escrever, aprenda a pensar.”

“A barricada fecha a rua, mas abre a via.”

“Corram camaradas, o velho mundo está atrás de vocês.”

“A cultura é a inversão da vida.”

“10 horas de prazer já.”

“Proibido não colar cartazes.”

“Abaixo do calçamento, está a praia.”

“A economia está ferida, pois que morra!”

“A emancipação do homem será total ou não será.”

“O estado é cada um de nós.”

“A humanidade só será feliz quando o último capitalista for enforcado com as tripas do último esquerdista.”

“A imaginação toma o poder.”

“É proibido proibir.”

“Eu tinha alguma coisa a dizer, mas não sei mais o quê.”

“Eu participo. Tu participas. Ele participa. Nós participamos. Vós participais. Eles lucram.”

“Os jovens fazem amor, os velhos fazem gestos obscenos.”

“A liberdade do outro estende a minha ao infinito.”

“A mercadoria é o ópio do povo.”

“As paredes têm ouvidos. Seus ouvidos têm paredes.”

“Não mudem de empregadores, mudem o emprego da vida.”

“Nós somos todos judeus alemães.”

“A novidade é revolucionária, a verdade, também.”

“Fim da liberdade aos inimigos da liberdade.”

“O patrão precisa de ti, tu não precisas do patrão.”

“Professores, vocês nos fazem envelhecer.”

“A poesia está na rua.”

“A política se dá na rua.”

“Só a verdade é revolucionária.”

“Sejam realistas, exijam o impossível.”

“Não nos prendamos ao espetáculo da contestação, mas passemos à contestação do espetáculo. “

“A felicidade é uma ideia nova.”

“Teremos um bom mestre desde que cada um seja o seu.”

“Camaradas, o amor também se faz na Faculdade de Ciências.”

“Ainda não acabou!”

“Consuma mais, viva menos.”

“O discurso é contra-revolucionário. “

“Escrevam por toda a parte!”

“Um homem não é estupido ou inteligente: ele é livre ou não é.” (Médecine)

“Decretado o estado de felicidade permanente.”

“Milionários de todos os países, unam-se, o vento está mudando.”

“Não tomem o elevador, tomem o poder.”

“Exagerar é começar a inventar.”

“Decreto o estado de felicidade permanente.”

“Nenhuma liberdade aos inimigos da liberdade.”

“O despertador toca: primeira humilhação do dia”

“O poder tinha as universidades, os estudantes tomaram-nas. O poder tinha as fábricas, os trabalhadores tomaram-nas. O poder tinha os meios de comunicação, os jornalistas tomaram-na. O poder tem o poder, tomem-no!”

“Um só fim de semana não-revolucionário é infinitamente mais sangrento que um mês de revolução permanente”

“Acabareis todos por morrer de conforto”

“Não se chateiem! Chateiem os outros!” (Nanterre)

“Não me libertem, eu encarrego-me disso.”

“E se queimássemos a Sorbonne?”

“Não reivindicaremos nada. Não pediremos nada. Conquistaremos. Ocuparemos.”

“Levemos a revolução a sério, não nos levemos a sério.”

“Mesmo que não tenhas nada a dizer, fala na mesma.”

“Quando interrogados, responderemos com perguntas.”

“Vive sem limites e aproveita sem moderação.” (Conh-Bendit)

Leave A Comment

You must be logged in to post a comment.

Sobre

Website desenvolvido como trabalho final para a disciplina HIS322 - Temas Contemporâneos em História da Universidade Federal de Viçosa em novembro de 2011.

Produção

Trabalho produzido pelos alunos do 6º período do curso de Jornalismo: Bruno Menezes de Andrade, Camila Teixeira Barros, Carolina Pavanelli, Giuliano Sales, Luan Santos e Lucas Lucena.

Orientação

Professor Gustavo de Souza Oliveira